Open Access
Issue
BIO Web Conf.
Volume 9, 2017
40th World Congress of Vine and Wine
Article Number 03007
Number of page(s) 8
Section Economy and Law
DOI https://doi.org/10.1051/bioconf/20170903007
Published online 04 July 2017
  • Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 16479: Indicação Geográfica – Terminologia. Rio de Janeiro. 5 p. (2016) [Google Scholar]
  • Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 16536. Indicação geográfica — Orientações para estruturação de indicação. Rio de Janeiro. 17 p. (2016) [Google Scholar]
  • BOWEN, S. Embedding local places in global spaces: Geographical indications as a territorial development strategy. Rural Sociology 75 (2), 209–243 (2010) [EDP Sciences] [Google Scholar]
  • Brasil, “Lei N. 9.279 - de 14 de Maio de 1996. Que Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial” (1996). [Online]. Available: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm [Accessed: 04-Mar-2017] [Google Scholar]
  • Cerdan, C.M.T., Bruch, K.L., Silva, A.L., Copeti, M., Fávero, K.C., Locatelli, L. Indicação Geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. In: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; organização Luiz Otávio Pimentel – 4a ed. – Florianópolis: MAPA, Florianópolis: FUNJAB (2014) [Google Scholar]
  • Ilbery, B. et al. Product, Process and Place: An Examination of Food Marketing and Labelling Schemes in Europe and North America. European Urban and Regional Studies, 12 (2), 116–132 (2005) [CrossRef] [Google Scholar]
  • Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Instrução Normativa no25/2013. Estabelece as condições para o registro de Indicações Geográficas. Brasília (2013) [Google Scholar]
  • Locatelli, L. Indicações Geográficas e Desenvolvimento Econômico. In. Barral, Welber; Pimentel, Luiz Otávio (Org). Propriedade intelectual e desenvolvimento. Florianópolis: Fundação Boiteux (2007) [Google Scholar]
  • Locatelli, L., Souza, K. A proteção jurídica e o processo de reconhecimento das indicações geográficas no Brasil: aspectos introdutórios. In: Indicações geográficas: desafios e perspectivas nos 20 anos da Lei de Propriedade Industrial. Org. Locatelli, L. Lumen Juris: Rio de Janeiro, p. 3–16 (2016) [Google Scholar]
  • Niederle, P. A. Indicações geográficas e processos de qualificação nos mercados agroalimentares”. Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Org. Niederle, P. A. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 23–54 (2013) [Google Scholar]
  • Oliveira, M.C. Normalização e MPE: um caminho sem volta. Boletim ABNT, abril, (2013). [Online]. Available: http://abnt.org.br/paginampe/biblioteca/files/upload/anexos/pdf/04818c3f3916ca5b8d17e8033febcd47.pdf [Accessed: 27-dez-2016] [Google Scholar]
  • Pecqueur, B. Qualité e développement territorial: l' hyphotès e dupannier de biens et de services territorialisés. Economie Rurale, 261 , Paris (2001) [CrossRef] [Google Scholar]
  • Pellin, V., Vieira, A.C.P. Indicações geográficas no Brasil: uma perspectiva pro-registro. In: Indicações geográficas: desafios e perspectivas nos 20 anos da Lei de Propriedade Industrial. Org. Locatelli, L. Lumen Juris: Rio de Janeiro, p. 89–112 (2016) [Google Scholar]
  • Bruch, K. L. Signos distintivos de origem: entre o velho e novo mundo vitivinícola. 1. ed. Passo Fundo: Editora IMED. 320p. (2013) [Google Scholar]
  • Sebrae. Parceria ABNT / Sebrae Normalização e Pequenos Negócios. São Paulo. (2015). [Online]. Available: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=3&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwj27O7rweTRAhXDHJAKHcKFAbUQFggvMAI&url=http%3A%2F%2Fwww.abnt.org.br%2Feventos%2Fapresentacoes%2Fcategory%2F137-workshop-internacional-sobre-normalizacao-e-pequenos-negocios%3Fdownload%3D319%3Aparceria-abnt-sebrae&usg=AFQjCNFlWxqUUFKIW3ToZGwLmZGTBJNMZw&sig2=OLY6svwxnSueC1yfDCYKuA&bvm=bv.145822982,d.Y2I> [Accessed: 26-dez-2016] [Google Scholar]
  • Soam, S. K.; Hussain, M. Commercialization of indigenous health drinks as geographical indications. Journal of Intellectual Property Rights 16 (2), 170–175 (2011) [Google Scholar]
  • Vieira, A. C. P.; Pellin, V. O uso do instituto das indicações geográficas como instrumento de promoção do desenvolvimento territorial rural– o caso dos Vales da Uva Goethe – Brasil. 20th APDR Congress, University of Évora (2014) [Google Scholar]
  • Vieira, A. C. P.; Watanabe, M.; Bruch, K. L. Perspectivas de desenvolvimento da vitivinicultura em face do reconhecimento da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Revista Geintec 2 , 327–343 (2012) [CrossRef] [Google Scholar]
  • Vieira, A.C.P., Zilli, J. C., Bruch, K. L. As políticas públicas como instrumento para o desenvolvimento das indicações geográficas: o caso dos Vales da Uva Goethe em Urussanga, Santa Catarina In: Anais VII Seminário Internacional de Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul – RS: UNISC 1 (2015) [Google Scholar]
  • Vieira, A.C.P.; Buainain, A.M.; Bruch, K.L. A indicação geográfica como estratégia para minimizar a assimetria de informação In: Propriedade intelectual e inovações na agricultura. Org. Buainain, A.M., Castro, A.C., Bonacelli, M.B.M. Rio de Janeiro: Ideia 1 (2015) [Google Scholar]
  • Vieira, A.C.P.; Pellin, V. Indicações geográficas como políticas públicas de desenvolvimento territorial – o caso dos Vales da Uva Goethe. In: Valdir Roque Dallabrida. (Org.). Indicação geográfica e o desenvolvimento territorial: reflexões sobre o tema e potencialidades no Estado de Santa Catarina. 1a, ed. São Paulo: Editora LiberArs, p. 273–288 (2015) [Google Scholar]

Current usage metrics show cumulative count of Article Views (full-text article views including HTML views, PDF and ePub downloads, according to the available data) and Abstracts Views on Vision4Press platform.

Data correspond to usage on the plateform after 2015. The current usage metrics is available 48-96 hours after online publication and is updated daily on week days.

Initial download of the metrics may take a while.